domingo, 25 de janeiro de 2015

Avançar

Às vezes é preciso partir
Deixar para trás o que não faz falta
Deixar de lado o que nos faz mal
Partir
Com a certeza de um metro quadrado algures
Ir em busca do desconhecido
Não esquecer de onde viemos
Mas enterrar as mágoas e os desgostos
Lágrimas, dores, prantos, desgraças
Ansiar com o sítio para onde vamos
Ansiar com novas pessoas, novos amores
Custa seguir em frente,
E, no entanto, é tão necessário
Diz-se que águas paradas não movem moinhos
Um coração preso ao passado
Não tem como voltar a amar
 
Avança.
 
PedRodrigues

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Breve reflexão sobre a sociedade


Dou por mim a olhar, cada vez mais desconfiado, para o mundo que me rodeia. As pessoas parecem mais preocupadas em serem os outros, – sejam eles quem forem – que em serem elas mesmas. Estão mais preocupadas em viver as vidas dos outros, – sejam elas o que forem – que em viver a sua própria vida. Assusta-me de morte a forma como arranjam tempo para o fazer. A minha vida ocupa-me a tempo inteiro.

 

PedRodrigues

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Astronautas


Então olhou para cima e sonhou apaixonar-se por um astronauta.
Alguém que pudesse escrever o seu nome na lua.
Dizem que as palavras escritas na superfície da lua permanecem intactas: não há vento, nem tempo, que as apague.
Talvez fosse esse o seu verdadeiro objectivo: amar alguém que gravasse o seu nome em algum lugar só seu – onde mais ninguém fosse. Longe.
Alguém que gravasse o seu nome, e nem o tempo, ou o vento, o conseguissem apagar.

 

PedRodrigues